terça-feira, 6 de outubro de 2015

Economistas analisam petróleo e capitalismo primitivo

Sonangol e seus investimentos em debate.

O economista e político Filomeno Vieira Lopes considera que há uma excessiva retenção de fundos na Sonangol, com o propósito de garantir o processo de acumulação primitiva de capitais.
Deste processo, segundo o antigo professor universitário, surgem as elites que se sobrepõem à maioria dos angolanos.

Filomeno Vieira Lopes, convidado do último Quintas de Debate, uma iniciativa da associação Omunga, lembra que a Sonangol tem um papel relevante na gestão pública.
Até aqui, nada de estranho, já que se está a falar da empresa que negoceia directamente grande parte dos empréstimos que o país solicita a outros Estados.
A anomalia, de acordo com o também funcionário da Sonangol, reside na propositada e excessiva retenção de fundos que deveriam estar ao serviço da maioria dos angolanos.
“A grande intenção é garantir que os excedentes sirvam um processo para formar as grandes elites, mas são recursos que deviam estar a ser administrados directamente para o bem de todos os angolanos”, explicou Vieira Lopes, lembrando que as empresas públicas “servem os interesses destas elites, com obras para casas de ministros, importação de viaturas e outros exemplos de acumulação primitiva de capitais”.  
Para aquele economista,  há uma maldição do petróleo, porque “quando a Inglaterra ou a Noruega descobrem petróleo, têm instituições estáveis”, ao contrário do que se passa em Angola.
“Temos sistemas que caminham para o enriquecimento das elites, o que cria guerras e assassinatos, o petróleo é do Presidente, há uma balbúrdia nacional”, acusa Vieira Lopes.
Por outro lado, também presente no encontro, o director do Jornal Expansão Carlos Rosado de Carvalho considerou  que os sinais da dependência desta fonte de energia continuam visíveis. Voz da América

Sem comentários:

Enviar um comentário