terça-feira, 27 de outubro de 2015

General avisa que Angola já não é "escravo" de Portugal

O general e dirigente do Movimento Popular de Libertação de Angola Bento dos Santos 'Kangamba' acusou esta segunda-feira Portugal de ingerência nos assuntos angolanos, avisando que Lisboa não tem "consciência jurídica e política".

Sobrinho do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, e tido como o homem forte da mobilização das estruturas do partido no poder, Bento dos Santos 'Kangamba' falava à Lusa à margem de uma visita de campo, em Luanda, sobre o caso dos 15 ativistas detidos desde junho e o apoio público e mobilização portuguesa.
"Se eu fosse português pensava 20 ou 30 vezes antes de falar sobre um estrangeiro. Primeiro tenho que arrumar a minha casa e depois falar sobre os outros. Portugal é um grande país, tem grandes políticos, mas neste momento está em debandada, não tem consciência jurídica e política para se defender nem defender os angolanos. Há necessidade de haver calma que a Justiça será feita", apontou o dirigente do MPLA, aludindo à crise económica e indefinição governativa em Lisboa.
Em causa está o apoio de vários setores da vida portuguesa à situação destes 15 ativistas detidos, incluindo o 'rapper' angolano Luaty Beirão, de 33 anos e também com nacionalidade portuguesa, que hoje cumpre o 36.º dia em greve de fome exigindo aguardar julgamento em liberdade.
Em Portugal sucedem-se vigílias e manifestações de apoio aos ativistas detidos, invocando sempre a situação de Luaty Beirão, inclusive com protestos junto à embaixada de Angola em Lisboa apelando à libertação dos 15 elementos.
O também secretário do comité provincial de Luanda do MPLA para a Área Periférica e Rural acusa Portugal de continuar a ingerir-se nos assuntos angolanos, 40 anos depois da independência.
"As pessoas são as mesmas, tirando duas figurinhas bonitinhas que estão a aparecer aí no Bloco de Esquerda. Mas as pessoas que foram contra Angola são as mesmas [agora]. Eles acham que Angola até hoje é escravo, que nós somos escravos de Portugal (...) não podemos ser ouvidos e que Portugal é que manda, que Portugal é que diz e que Portugal é que faz. Os portugueses têm que saber que Angola é um Estado soberano", apontou 'Kangamba'.
Na origem do caso está uma acusação, já formalizada, de atos preparatórios para uma rebelião e para um atentado contra o Presidente angolano, contra os 15 detidos em prisão preventiva e mais duas jovens em liberdade provisória, cujo início do julgamento está já agendado para 16 de novembro, num tribunal de Luanda.
"As estruturas da Justiça [angolana] funcionam. Deixem que a Justiça faça o seu julgamento e o resto vamos ver. O que não se admite é o que os portugueses estão a fazer. Estão a acudir a um que tem a mesma cor e os outros que têm cor de carvão ninguém está-lhes a acudir. Isso é feio e é uma coisa que aqui em Angola já não se vive", disse ainda o general angolano.
'Kangamba' referia-se em concreto aos apelos à libertação de Luaty Beirão, luso-angolano, que devido ao estado de saúde foi transferido há duas semanas para uma clínica privada, sob detenção.
"Vocês estão a falar do Luaty Beirão, mas estão a esquecer-se que Angola também tem muita gente presa, pessoas com nome até. Generais que estão acusados em crimes, à espera que a Justiça decida e ninguém sai para se manifestar", criticou.
Reafirmando que o tempo é para "deixar a Justiça trabalhar", o dirigente do MPLA apelou a Portugal para "acompanhar os angolanos como irmãos", ao mesmo tempo que rejeita as acusações de ingerência política neste processo.
"Isto não tem nada a ver com o Presidente da República, não tem nada a ver com nenhum partido. Isso tem a ver com a Justiça. A justiça é autónoma", atirou, garantindo que em Angola "há democracia e liberdade".
Num aparente endurecimento, nos últimos dias, das relações entre o poder politico em Angola e Portugal, com sucessivas críticas, o general vai mais longe, acusando alguns setores portugueses de "falarem à toa".
"Todos aqueles que estão falar em Portugal têm uma faca no coração, que eu e outras pessoas é que ficamos com as coisas dos pais desses senhores [com a independência de Angola]. É claro que fomos nós", rematou. Jornal de Notícias

Sem comentários:

Enviar um comentário