quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Analistas defendem investigação profunda dos moçambicanos com sete milhões de dólares

A prisão de dois moçambicanos no dia do Natal na fronteira sul-africana de Lebombo, com cerca de sete milhões de dólares não declarados, continua a suscitar incógnitas e debates.

Em Maputo, acredita-se que uma investigação minuciosa ao caso pode levar ao esclarecimento de várias situações do submundo do crime organizado, que está a assumir contornos alarmantes.
Os dois moçambicanos são de origem asiática e um deles tem uma relação familiar com o líder de uma mesquita de Maputo.
Eventualmente, esta pode ser uma pista para os investigadores.
Ao nível da comunidade muçulmana em Maputo, o silencio é absoluto.
O investigador Laurindos Macuácua acredita que os detidos tenham feito referência a um eventual envolvimento de lideres muçulmanos, "porque não é á toa que um maulana está a ser investigado”.
O semanário moçambicano Savana noticiou que o maulana Nazir Lunat, da mesquita Masjid Taqwa está a ser investigado, em conexão com o caso.
Para o decano dos jornalistas moçambicanos, Paul Fauvet, se as investigações a este caso forem feitas até às últimas consequências muita coisa poderá ser esclarecida, relativamente aos contornos do crime organizado em Moçambique.
Fauvet destacou ser "necessário que as polícias sul-africana e moçambicana investiguem este caso para se descobrir a proveniência deste dinheiro, porque este pode ser dinheiro sujo".
Refira-se que as investigações já estão em curso, envolvendo entidades sul-africanas e moçambicanas, e os detidos foram ouvidos em tribunal. Voz da América

Sem comentários:

Enviar um comentário