quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

"MPLA está a perder simpatizantes e militantes", diz analista angolano

Analista Albano Pedro diz que a nomeação de Higino Carneiro como primeiro secretário do MPLA em Luanda é uma aposta no diálogo com a sociedade, pois o partido está a perder simpatizantes na maior praça política angolana. 

Os militantes do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) elegeram, na terça-feira (16.02), Higino Carneiro como primeiro secretário provincial do partido em Luanda, sob indicação do presidente José Eduardo dos Santos.
Carneiro é um dos mais influentes generais e dirigentes do partido no poder. Foi eleito com 417 votos durante a III conferência provincial extraordinária do MPLA, passando a acumular a nova função com a de Governador da Província de Luanda.
Para o comentarista político e jurista Albano Pedro, esta nomeação faz parte de uma reforma política que o MPLA precisa de implementar, pois o partido de dos Santos está a perder muitos simpatizantes na maior praça política angolana.
A escolha do general Higino Carneiro "tem muito a ver com a necessidade de diálogo que o MPLA tem para com a sociedade. Ele é uma pessoa capaz de dialogar", comenta o analista em entrevista à DW África. "Higino Carneiro não tem reações musculadas. No mandato de Bento Bento, o MPLA caraterizava-se como um partido de força e auto-proteção."

MPLA está a perder militantes

No último discurso como "número 1" do MPLA em Luanda, Bento Bento, que dirigiu o partido dos camaradas durante 10 anos e também governou a capital angolana, pediu ao seu sucessor que ponha ordem na capital angolana.
"Em Luanda tem muitos chefes. E o general Higino Carneiro tem que disciplinar essa gente", afirmou. "Todo o mundo manda em Luanda, todo o mundo é general."
Segundo Bento Bento, há militantes que, ao invés de trabalharem, tentam fomentar intrigas dentro do partido. Para o político, são os mesmos que levam aos órgãos de comunicação os problemas internos do partido.
O partido que governa Angola desde 1975 está a perder muitos militantes devido à crise financeira no país, comenta Albano Pedro. Na perspetiva do analista, a solicitação de Bento Bento é um reconhecimento de que Higino Carneiro tem poderes para impedir as ações de muitos membros do Governo e generais que não acatam as decisões do Governo de Luanda.
"Temos ministros que estão aqui e que, por vezes, se querem sobrepor ao governador, porque entendem que ele está num escalão hierárquico mais baixo. Ao ser pedido isso a Higino Carneiro, reconhece-se que Luanda efetivamente não tem tido o poder que merece para pôr ordem."

"Quando tenho pressa, saio mais cedo"

Depois de ser eleito como novo primeiro secretário provincial do MPLA em Luanda, Higino Carneiro garantiu que vai conquistar a confiança dos cidadãos indecisos durante o seu mandato.
"Digo sempre aos meus colaboradores que, quando tenho pressa, saio mais cedo", disse Carneiro. "É baseado neste modo de encarar os desafios que peço, desde já, a todos que nos compenetremos nas responsabilidades sobre os nossos ombros. Os desafios atuais exigem que apostemos nos métodos de luta e combate político e inovações que resultem do nosso pensamento criador."
Antes deste cargo em Luanda, Higino Carneiro foi governador da província do Cuando Cubango, onde era também primeiro secretário do MPLA, tendo sido substituído nas duas funções pelo ex-ministro da Hotelaria e Turismo, Pedro Mutinde.
Até à nomeação de Carneiro, Luanda era a única província em que o governador não acumulava a função de primeiro secretário do MPLA. Deutsche Welle

Sem comentários:

Enviar um comentário