quarta-feira, 13 de junho de 2018

Al Shabaab moçambicano desafia ministro do Interior e mata mais cinco civis e dois membros das FDS em Cabo Delgado

Desafiando as Forças de Defesa e Segurança (FDS), que estão a ser comandadas em Cabo Delgado por uma brigada central liderada pelo ministro do Interior, o Al Shabaab moçambicano protagonizou novos ataques a aldeias do Norte do país, na segunda (11) e terça-feira (12), onde assassinou pelo menos mais cinco civis e dois militares elevando para 39 o número de mortos desde o passado dia 27 de Maio.
O grupo de criminosos atacou cerca da meia noite de segunda-feira (11) a aldeia de Changa, no distrito de Nagade, empunhado catanas e pelo menos uma rama de fogo tendo assassinado quatro cidadãos indefesos e queimado sete residências, reporta o jornal Mediafax.
Nas proximidades da mesma aldeia, de acordo com a agência de notícias Lusa, citando fontes das FDS, o Al Shabaab atacou ainda um acampamento de Forças de Defesa e Segurança, durante a noite de segunda-feira (11), e matou dois elementos das autoridades e deixou um outro ferido.
Com estes dois ataques este movimento denominado pelos locais de Al Shabaab, embora não tenha conexões com o grupo terrorista homónimo da Somália, espalhou o terror que tem protagonizado desde Outubro de 2017 para seis dos 15 distritos da província de Cabo Delgado, rica em recursos naturais como madeira, rubis, gás natural ou grafite.
Já na madrugada de terça-feira (12) o movimento terrorista, que académicos moçambicanos determinaram estar organizado em várias células de 10 a 20 homens, voltou a atacar no distrito de Macomia onde desde a meia noite do passado sábado (09) funciona um comando operacional aberto pelo ministro do Interior, Jaime Basílio Monteiro, que está na província desde a semana passada para “normalizar a situação de segurança e estabilidade das comunidades”.
“A nossa presença como Força de Defesa e Segurança é precisamente esta. Persegui-los até a exaustão, encontra-los e tornar Mucujo, Quiterajo, Quissanga e qualquer ponto da província de Cabo Delgado livre da acção criminosa desses malfeitores”, afirmou o ministro do Interior à jornalistas.
De acordo com jornalistas que acompanham Jaime Basílio Monteiro o comando operacional que integra “oficiais ao mais alto nível” tem em vista combater, todo e qualquer tipo de acção de desestabilização protagonizada por grupos de jovens que têm estado a matar pessoas indefesas, para além de destruir as suas habitações e outros bens.

Al Shabaab parece desafiar as Forças de Defesa e Segurança

Na semana finda foi anunciada a captura de três cidadãos que faziam parte do Al Shabaab. “Eu estava como bandido no mato. Então pensei e fugi do mato. Um dia eu perguntei (ao chefe), este trabalho é o quê ? E o chefe dos bandidos queria-me matar com catana. Os chefes chamam-se Aly Machud, Bonomar, Nuro, Kidjepéri, Ndzorógue de Tanzânia, chefe Hássane de Tanzânia, chefe Momad Ibrahimo”, disse à Rádio Moçambique Sumail Amade, um dos capturados. Ler+

Sem comentários:

Enviar um comentário